quarta-feira, 11 de março de 2009

Os homens não são só garganta!

Disseram-me, a meio de uma conversa, que os homens são só garganta.
Não são só garganta, acho que isso é muito redutor!
Também têm outros órgãos à volta igualmente importantes.
Imagino um bando de gargantas na assembleia da república com as suas gravatinhas à volta...
Mau exemplo, vou dar outro: imagino um estádio de futebol cheio de gargantas a berrar desalmadamente para insultar o árbitro, mas sem conseguir articular palavra porque não têm boca, sem cachecol porque não têm mãos para o colocar, mas mesmo que tivessem cachecóis, escorregavam por aí abaixo sem ombros que os segurassem, gargantas que pagaram o bilhete sei lá como, mas que não podem ver nem ouvir o jogo, porque não têm olhos nem ouvidos.

A garganta nem tem direito a ter um médico especialista apenas em garganta, é sempre especialista em garganta, nariz e ouvidos. Quando o médico escolhe o curso que quer tirar, quer ser Oftalmologista - especialista em olhos, Estomatologista - especialista em boca, ou Otorrinolaringologista, que, apesar de parecer uma palavra alemã para um animal em extinção, é um pack económico de 3 órgãos, como as promoções do Continente.

De qualquer modo, a garganta não é somenos importante, tem um filme e tudo. O «Garganta Funda».
Nunca o vi, não sei se é um documentário ou de acção, mas disseram-me que era profundo. Talvez seja até educativo. Há muitos filmes educativos por aí. No outro dia passei pelo Media Markt e vi que estavam lá uma série deles, como o «Estudantes e Ninfomaníacas», suponho que sejam alunas de história a falar das ninfas na mitologia grega. Ainda estive tentada em comprá-lo porque gosto muito de mitologia grega, mas dissera-me que há desses filmes na net. Na net pode-se encontrar muito material educativo, não é só poucas-vergonhas.

Que fique bem claro que o homem não é só garganta. Tem de ter o resto do corpo para segurar o cachecol, o chapéu de adepto cheio de bicos e guizos, a cerveja, a bifana, a bandeira, o rádio, o cigarro... se me disserem que o homem é um polvo, mole e indolente que se arrasta até ao sofá com tentáculos para segurar os amendoins, a cerveja e uma dúzia de comandos ao mesmo tempo enquanto faz zapping na tv, já me convenciam melhor.

4 comentários:

Anónimo disse...

Estive a ler todos os posts colocados até este...
Sabia que por aqui se escrevia com regularidade, ainda assim esperei - numa atitude idêntica àquela de quem compra o DVD da série de televisão pois não quer esperar uma semana para saber o que conta o próximo episódio... Mas, como não sei quando acaba esta "série", achei que este pack de posts, já merecia uma esperitadela - e tinha razão!
Foi também por isto que casei com ela.

BatRitinha disse...

Mesmo que não tivesses deixado a última frase, descobria quem és. Conheço-te pela ponta dos dedos.

Eugenia disse...

Olha, a mim sempre me disseram que os homens são como as lontras: espojam-se no sofá e não querem outra coisa!

F3lixP disse...

Existem excepções diria um, mas todos diriam o mesmo certo? lol
Acho que todos somos só garganta em determinados momentos da nossa vida, por vezes é preferível que o silêncio redutor! Tudo depende do prisma! ;)
Bom post!